A frase do título foi proferida por Ranulpho, personagem do belo filme Cinema, Aspirinas e Urubus, de Marcelo Gomes, indicado pelo Ministério da Cultura para concorrer ao oscar de melhor filme estrangeiro. Pensamos que esta frase sintetiza com uma perspicácia admirável a lógica do “mais forte sobrevive”, sinal claro da finalidade última do capitalismo. Poderia ser isto o motivo pelo qual as pessoas se submetem a um sistema tão cruel e deficiente? Não vemos esta afirmação representada em escala internacional por todas estas ‘fusões’, ‘holdings’ e ‘corporações’ que se engolem umas às outras, ou impregnada nas relações de trabalho?

 urubus_03.jpg

Quando um retirante, em 1942, no meio da caatinga a diz, ela ganha um significado ainda mais forte, uma vez que até mesmo ele, um retirante no meio da caatinga, admite que seja mesmo muito bom estar no topo desta ‘cadeia alimentar’; ser o bicho maior de todos, um tubarão, carcará ou magnata. O pior é que incorporou esta lógica de modo negativo: está subjugado por ela mas não se reconhece como tal: imagina-se perfeitamente capaz de ascender socialmente (mediante o imprescindível auxílio do ‘Deus’ trabalho); poderá ele também um dia exercer o papel social de bicho que come, e não mais o de que é comido.

Isto nos impõe uma dificuldade. Se ele desconfia que pode um dia vir a ser um bicho que come, então reconhece que, ao menos momentâneamente, é uma presa e não o predador. No entanto, pensamos que isto é falso, pois o problema é um pouco mais complicado. De fato, ele reconhecerá no outro a figura da presa, mas nunca em si mesmo. Acreditamos que, salvo as raras exceções, a minoria que se identifica como presa adere de forma ainda mais profunda à esta lógica (nas figuras dos beatos, crentes, capatazes, seguranças, etc.). Ou torna-se um renegado, um marginal, esboçado pelo “não tenho nada a perder”. 

Dentro desta relação caça-caçador, o filme ainda nos apresenta uma outra figura muito interessante, que é a do alemão Johann, o predador que vira presa. Johann meteu-se no meio da caatinga para fugir dos horrores da guerra, mas não sem meios para se sustentar e não ser como a gente do sertão. Como todo bom colonizador, trouxe suas provisões e meios para multiplicá-las. É um notável revendedor de aspirinas, um ‘medicamento’ que, convenhamos, não nos faz falta nenhuma. Para tanto utiliza o cinema como propaganda, e eis aí o segredo de seu sucesso com as vendas: a sedução da imagem. Por sagacidade ou mero acaso, Johann vai exibir filmes publicitários para pessoas que sequer sabiam da existência de uma coisa como o cinema. Bingo.

No entanto, com a acentuação dos conflitos na Europa, e a subseqüente entrada do Brasil no conflito contra a Alemanha, as “otoridadis” locais, ou “puliça”, passam a não ver com bons olhos um alemão em terras tupiniquins (seria um espião?). O clima beligerante era bastante imprevisível de fato. Como prever isto, um gorduchinho milico sul-americano se voltar contra o mestre? Na verdade ele não se voltou contra o mestre, apenas passou a seguir outro tão idiota quanto.

urubus_02.jpg

Isso chega a atrapalhar os planos de ‘capitalização’ de Johann, que se vê obrigado a mudar de tática (devemos lembrar que é mito esta coisa do colonizador nobre, herói ou tipo; na verdade, em seu país de origem o colonizador era majoritariamente o subalterno, o excluído, que enxergava no ‘novo’ mundo a possibilidade de enriquecer, coisa que de fato aconteceu e acontece até hoje).

Ainda assim, vemos Johann safar-se parcialmente quando consegue vender toda a carga de aspirinas a um empresário visionário da caatinga. No entanto, o medo de ser enviado para um campo de concentração e devolvido para a Europa, faz com que o alemão escolha embrenhar-se no meio dos seringais da Amazônia, destino prontamente recusado por Ranulpho. Este imagina a Amazônia como terra de selvagens, onde deve ser muito pior do que a caatinga – um lugar desolado, com ambiente hostil e adverso ao homem (percebam como é sempre o outro quem está danado).

Bem-sucedida a trama deste road-movie, quando nos apresenta, sem estereotipar, dois personagens marcantes para a história do país: o colonizador em busca de riquezas e o sertanejo que foge da miséria da seca para a miséria das capitais – que foram (são) construídas (em sua maioria) graças a exploração da mão-de-obra dos nordestinos.  Detalhe para a excelente fotografia de Mauro Pinheiro Júnior: podemos até mesmo sentir o calor do agreste. A luz a pino, o branco estourado, nos permitem imaginar toda a secura de um dia quente e poeirento no sertão.  Secura essa que transborda e se derrama sobre as personagens, suas relações e seus diálogos. Assista.

c-urubus_r.jpg

Anúncios

A tinta que falta

outubro 3, 2006

Permitam-me reproduzir com minhas palavras uma anedota encontrada no livro do Zizek, logo no começo do capítulo “A tinta que falta”. Penso ser pertinente para o debate sobre as eleições 2006:

Conta-se que durante o domínio soviético na Alemanha Oriental, um alemão conseguiu um emprego na Sibéria. Estava eufórico. Porém, ao contar do novo trabalho para seus amigos, estes lhe orientaram a mudar de idéia, que isto não era emprego que se prestasse um homem. Mas o obstinado rapaz continuava disposto a aceitar o emprego. Assim sendo, como os censores não deixariam passar nenhuma informação sobre a real situação da Sibéria, os amigos combinaram o seguinte: nas cartas, haveira um código para lhes garantir veracidade do documento – se estivesse escrita em azul a carta seria verdadeira; caso estivesse escrita em vermelho, seu conteúdo seria falso.

Um mês depois os amigos recebem uma carta do mais novo morador da Sibéria. Totalmente escrita em azul, dizia: “Queridos amigos: Aqui tudo é maravilhoso. As cidades são movimentadas e sempre se tem muitas coisas para fazer. Há muitas garotas, sempre dispostas a fazer algum programa; dentre os quais o meu preferido é ir a um dos vários cinemas – pois, pasmem camaradas, aqui se passam filmes ocidentais. As pessoas são simpáticas, o clima é agradável, a comida é deliciosa e não nos falta nada. Exceto uma coisa companheiros, não se é possível comprar tinta vermelha”.

Aonde foi parar a esquerda minha gente? Estamos órfãos?

o intendente é de morte! uurrgh! 

“A rústica porém refinada construção de pedra corresponde ao estilo provençal francês”.

http://www.brasil.org.bo/direccion.htm

Bah!

Reparem no mapa que a casa do embaixador fica bem na frente da embaixada dos Estados Unidos (what a coincidence!); esta, por sua vez, fica defronte ao “centro de estudos brasileiros”.

“Tão Brasil”… 

BOLÃO ELEIÇÕES: O GeraRdo fatura o pleito. Tá valendo o que? Como eu havia previsto desde que se soube que o pindamonhangabaense iria concorrer. É o novo Collor, renascido como a fênix. Danou-se. Se o Lula estava meio “bambo”, agora está prestes a receber o golpe de misericórdia. E a esquerda? Nem pra mandar a Heloísa Helena pro segundo turno…  

Agora o golpista do Diogo Mainardi não é mais golpista. Ou é? E se nós nos declarássemos golpistas em caso de vitória do GeraRdo?

E o mais triste minha gente, será engolir a seco um GeraRdo triunfante, com Opus Dei e Maluf, Collor (o próprio! aonde está a chamada “juventude carapintada” [ou pintadanacara?] da GRobo?), e todo um lixo, a escória da escória.

O Suplicy vai ter que ensaiar mais “Blowing in the wind” para competir com os sucessos do Frank Aguiar.

Acabou minha gente, acabou. Se alguém acreditava em uma possível renovação, e uma conseguinte mudança nos paradigmas sociais, através de vias institucionais, mude-se para outro país (aliás, como faz para pedir asilo político? Gostaria muito de ir-me embora dessa terra violada).

O Brasil é, com efeito, o país da piada pronta. Réus confessos eleitos parlamentares…

Quando o Alckmin privatizar as universidades, não digam que eu não avisei.

Já estou farto dessa piada. Não vejo graça alguma.

Ainda sobre as eleições:

outubro 1, 2006

Não me causa nenhum espanto esta matéria da FSP: http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u84171.shtml.

Chamo a atenção para este trecho ”Mas entre os que prometem renovar a Câmara, o analista reconhece que eles estarão divididos em três categorias: artistas que se destacaram em programas de TV, filhos de políticos famosos e bispos de Igrejas Evangélicas”.

Estamos feitos senhores(as). Acabados. Dentre os candidatos à câmara federal por São Paulo, Maluf e Clodovil estão entre os mais votados. Frank Aguiar é outro que deve se eleger. O Serra se elegeu governador em SP (danou-se a USP!) e aparentemente haverá segundo turno para a presidência também… com o Alckmin! O Collor também será eleito!

O Brasileiro não sabe votar. Não adianta gente, sem educação não tem revolução (não confundam, isso não é o Cristovam Buarque). Chega a ser cínico o cenário político posterior ao pleito. E temo que isto não seja nem voto de protesto.

Bah! Ainda bem que estou em pleno dia útil. Mas notícias como esta dão um sabor amargo a este fim de tarde.