“Foi um sonho” (a cantora Sandy, sobre sua lua de mel).

Tava guardando pra quê, querida? Francamente…

De todo modo, aproveita que inaugurou e vem navegar no mar da esbórnia. Saiba que nunca é tarde para se casar com a humanidade!

Cai! Cai! Cai!

setembro 27, 2008

Abaixo os puristas, pois é tempo de vociferar! Não é justamente essa a finalidade de um blogue? Aqui se vomitam anonimamente as entranhas, por prazer – um pornográfico prazer – e não por uma vil obrigação da ideologia do trabalho.

Trabalho este camaradas, que dá sinais de franco capenguismo! É o novo ‘crash’ de 29! Agora vai! Ladeira abaixo ianques! Chupa esta!

Mas os caras não são burros. Já passaram o controle das principais empresas de “crédito” (nome dado ao assalto praticado pelos especuladores do “mercado financeiro”) para o Estado. Crédito é a prática de ursupar dos pobres, mediante juros avassaladores, o suado dinheiro do trabalho. Pagam os salários para depois sugar, com troco, o dinheiro que ‘investiram’.

O quê? Mas não eram eles que mandavam privatizar tudo por aí? E tão gastando mais dinheiro com estatizações do que jamais sonharia um Stálin? Amigos, eis minha sugestão para que, devido a atual conjuntura, a bandeira do tio sam faça algum sentido:

Agora entendemos o significado de "Unidos"

neopostcapitalcommunism

Eu quero é mais!!! Os mercados “globalizados” utilizam um dinheiro virtual cuja garantia está na extorsão praticada por grupos sanguinários como a AIG aos trabalhadores, empresa que teve 80% de seu capital passado para o controle do Estado na semana passada (avanti populi!). Vai Bush! Arrebenta com a economia de mercado! Como é que vai funcionar esse capitalismo estatal? Não complica, explica!

O império tá caindo minha gente! Mas o capital é fueda demais. Já posso até ver um novo tipo de propaganda ‘uncle sam’:

Unite, States!

Unite, States!

Vão recuperar o que há de pior do stalinismo: o centralismo estatal. Preparem-se, pois cães famintos atacam quem se aproxima de sua carniça.

No entanto, agora devemos escarnecer. Vamos comemorar, ver a vaca indo pro brejo de camarote tropical, tomar a cerveja e, se possível, o poder.