Fahrenheit 451 é o título de um livro de Ray Bradbury (http://www.raybradbury.com/books/fahrenheit451.html) na linha de 1984 de George Orwell , e inspirou o diretor François Truffaut a rodar um filme homônimo, único filme seu em inglês. E trata-se de o melhor filme de “ficção científica” de todos os tempos (aguardo a primeira pedra!).

A estória se passa em um futuro não muito distante, onde uma sociedade totalitária é controlada pela “Família”. As pessoas que vivem nessa sociedade são educadas a desempenharem certas funções sociais, sem se questionar muito sobre o que estão de fato realizando. O sucesso deste estado de obediência e paz social deve-se, especialmente, ao cuidado com a educação. Nas escolas, as crianças aprendem a não-ler e que livros são para se queimar.

Assim, somos apresentados ao dócil Montag (Oskar Werner), um bombeiro (fireman) que, ao contrário do que o nome de sua profissão possa sugerir, não tem a tarefa de apagar incêndios (uma vez que as casas são todas a prova de fogo, ou ao menos é isso que a “famíla” diz). Os fireman são responsáveis por atear fogo nos livros, e perseguir, prender e executar as pessoas encontradas junto aos livros. Algo como a Gestapo ou a PM.

é fogo!

Tudo vai bem com Montag. Ele queima livros, faz seu trabalho, e se sente feliz e normal. Está prestes a ser promovido a capitão. Sua bela esposa vive tranquila e feliz em seu lar, sempre envolvida em seus programas de TV (aliás, é magnífica a cena do programa de tv interativo. Penso que farão da TV digital algo semelhante). É a paz soberana, a suma felicidade.

Entretanto, Montag começa a se inquietar quando é questionado por uma jovem da resistência se ele alguma vez havia lido um dos milhões de livros que queimou.

–Detalhe da resistência (tão poético!): já que não se pode guardar os livros, seus guerrilheiros devem decorar na íntegra seus livros prediletos. Assim, acabam por se tornar os próprios livros. Vivem em uma comunidade-biblioteca. É sensacional.

Montag então começa a ler. E compreende porque a Família sempre havia alertado sobre a periculosidade dos livros: eles propiciam o pensar por si mesmo. E quando você começa questionar as coisas, deixa de ser feliz. Por que? A sociedade revela-se para Montag como algo horrível.

Ele se dá conta de que é dominado, e que não é um membro da Família, como esta pretendia. Entende que ser um parente desta coisa é algo abominável, e que a felicidade e a paz não são tão felizes e pacíficas como se imaginava. Decide então colaborar com a resistência, e prepara uma estratégia para tentar derrubar a Família e livrar o povo de suas viseiras. No entanto, não vemos no filme o desfecho deste contra-golpe.

Acredito que Truffaut, inspirado nos mais belos ideais pré maio de 68 (o filme é de 1966), deixa em aberto o confronto final por razões óbvias. Este futuro não muito distante é aqui em nossa contemporaneidade; a sociedade totalitária é esta sociedade de consumo, da ideologia do capital, que impõe o pensamento único, o individualismo, a “ordem”.

O paralelo, infelizmente, por muitas vezes cruza com o real. Portanto, penso que devemos reconhecer que, de 68 pra cá, sem dúvida, a resistência tem sofrido derrotas amargas e sucessivas. Me apoio no Zizek para defender que um dos equívocos mais sérios, e que ironizam sem piedade os tais “radicais de esquerda” da atualidade, está no lema herdado daquela época: sejamos realistas, exijamos o impossível. Justamente. Se os tais radicais de esquerda da atualidade exigissem o possível, estariam arriscando sua própria posição privilegiada dentro da sociedade, que é a de poder se dar ao luxo de ser radical de esquerda.

Continuo com minha campanha pelo Voto no Dia Útil. Ao invés de participarem deste festival demagógico, que tem o nome de “eleições”, que a data agendada para o evento se transforme em um dia de reflexão sobre o que de fato queremos como sociedade; o que é e o que significa. Assim, transformamos este ultraje contra a democracia em um dia realmente útil para o país. Acho incrível como os generais da ditadura ainda respiram. Diria mais, que desenvolveram um projeto de “ditadura branca”, isto é, não precisam nem mais aparecer para que seus interesses e de seus aliados sejam defendidos e preservados. A luta pelas “Diretas Já” (embora reconheça todos os avanços que ela trouxe no que diz respeito às liberdades civis) fracassou. Ela permitiu que, descaradamente, pessoas ligadas ao regime ditatorial se envolvessem na política “livre”, como é o caso de Sarney, Maluf, Tuma (que era do DOI-CODI!!!), ACM, Delfim Neto, entre tantos outros. Agora podemos votar. Mas somente (ou em grande parte) nesta trupe de gangsters. Que beleza.

VOTE VOCÊ TAMBÉM POR UM DIA ÚTIL!